Novidades em Endocrinologia: O doce sabor do chocolate amargo

Recentemente, tem-se descrito muitos benefícios deste doce alimento. Quanto mais doce o chocolate, menor a quantidade de cacau, e vice-versa. Assim, devemos procurar sempre os chocolates com porcentagens altas de cacau. O chocolate amargo é feito com os grãos de cacau torrados sem adição de leite e tem como característica principal possuir pouco açúcar.

Voltando aos benefícios do chocolate amargo, quanto maior o teor de cacau (quanto mais amargo), maior seria ação na pressão arterial. Isto ocorreria pela presença de substâncias chamadas de flavonóides, que aumentariam a produção de óxido nítrico, um vasodilatador natural. Essas mesmas substâncias atuariam protegendo os neurônios dos radicais livres.

Outra boa notícia é que o chocolate amargo também possui polifenóis, substâncias que impedem a oxidação do colesterol ruim (LDL).

Pelo aumento de tirosina e fenilamina (precursores dos aminoácidos dopamina e noradrenalina), daria a famosa sensação de prazer. Mas cuidado! Não use o chocolate como recompensa ou escape.

Este mês foi publicada uma pesquisa clínica no Archives of Internal Medicine do grupo de Medicina da Universidade de San Diego, California, na qual eles correlacionaram um menor Índice de Massa Corporal em indivíduos que tinham uma frequência maior de consumo de chocolate. Porém, antes de se animar e começar a devorar todos eles, a pesquisa correlacionou frequência de consumo e não quantidade!

Portanto, se você estiver naquela luta para perder alguns quilinhos, o ideal mesmo, em vez de chocolate, é pedir um bom livro de Páscoa!