Café: bandido ou mocinho?

Café: bandido ou mocinho?

Produto com a cara do Brasil, o famoso cafezinho é parte integrante de diversos momentos de nossas vidas: durante uma reunião de negócios, uma visita em casa, um encontro com amigos, etc. A bebida, que possui sabor e aroma característicos, que agradam a diferentes tipos de paladar, conta com uma grande concentração de uma substância altamente estimuladora chamada cafeína.

Mas o que poucos sabem é que o café vem sendo citado em várias pesquisas como um grande aliado na prevenção de várias doenças, como o diabetes, a enxaqueca, entre outros. Estudos recentes indicam que as substâncias presentes no café podem prevenir demências e Alzheimer, e que o consumo moderado e regular pode diminuir a incidência de alcoolismo e depressão.

Para a médica endocrinologista Dra. Claudia Chang, doutoranda em Endocrinologia e Metabologia pela USP, Coordenadora e Professora de Pós Graduação Endocrinologia do ISMD, o fator determinante não seria o café isoladamente, mas a quantidade ingerida.

O consumo de baixo a moderado aumenta o metabolismo basal (energia que se gasta para viver excluindo atividade física) e seria benéfico até para prevenção de doenças cardiovasculares, evidenciado por um estudo recente realizado pela Universidade de Singapura e o Departamento de Nutrição de Harvard, em que haveria correlação entre o consumo de café e menor incidência de diabetes, provavelmente associada à inibição de mecanismos inflamatórios.

No entanto, segundo a endocrinologista, quantidades elevadas de cafeína podem ser maléficas, principalmente para aquelas pessoas com elevação da pressão arterial e problemas de estômago (como gastrite e refluxo), além de influenciar no padrão do sono noturno (principalmente se consumido após as 16h).

compartilhe esse artigo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

veja outros artigos

bioimpedancia
Demais temas em endocrinologia

Bioimpedância – IMC

Imagine dois indivíduos com mesmo peso, mesma altura, mesma idade. Apesar de terem o mesmo Índice de massa corporal (IMC), possuem composições corporais completamente diferentes.

leia mais »

Autor do conteúdo

Drª Claudia Chang

CRM SP - 110155

Graduação em Medicina UFJF/MG
Residência em Endocrinologia UNESP
Membro Sociedade Bras. Endocrinologia(SBEM)
Doutorado(PhD)pela USP
Membro da Endocrine Society
Profª. e coordenadora da Endocrinologia ISMD

dra-claudia-chang